ITAMAR BERNARDES FOI TÉCNICO DO ATLÉTICO PARANAVAÍ EM 99 JOGOS

Paulista de Batatais, Itamar Bernardes Rafael (59 anos) com 99 jogos é um dos técnicos que mais esteve a frente do Atlético Clube Paranavaí, em nove temporadas iniciada em 2002.

Outros técnicos com bastante temporadas no Vermelhinho foram Silas Sanches (interinamente), Ferreira e Ranulfo.

Segundo Itamar, que foi atleta do ACP em 1985, foram 99 jogos, com 58 vitórias, 23 derrotas e 18 empates. Em 2013 quando ia completar 100 jogos, ele foi dispensado, após não ter conseguido vitórias em três jogos do Paranaense, sendo que dois foram fora, só obteve empates.

Itamar, falou que antes do Coronavírus (março/2020) tinha propostas de uma equipe de Santa Catarina (Camboriú FC) e de outra do Paraná (Rio Branco, dirigir por três anos a categoria Sub-23). Disse que aguardará novos conversas para ver o rumo que deve tomar, falou que ainda não está aposentado. Em 2019, ele foi técnico do Rio Branco de Paranaguá (salvou o time do rebaixamento).

O carismático técnico começou jogar profissionalmente como centroavante no União Bandeirantes em 1977, parou em 1993 no Mixto de Cuiabá. Ele dirigiu o ACP nos anos 2002/2004 e de 2008/2013. Destacou os atletas como Escurinho, Baiano, Araújo entre outros de boa qualidade técnica. Enalteceu o elenco de 2003, considerado por muitos como velho, mas que se fechou e chegou em segundo lugar, só perdeu a final para o Coritiba, na capital, em erro confidenciado depois pelo árbitro Heber Roberto Lopes.

Como técnico estreou em 1997 no Nacional de Rolândia em jogo contra o Londrina. Depois além de técnico do ACP, esteve na equipe Naviraí/MS, Telêmaco Borba, Arapongas, Grêmio Maringá, Rio Branco, Londrina, Costa Rica e Assis/SP. Foi campeão no Nacional (três vezes), Naviraí, Telêmaco Borba, vice pelo ACP na segunda e primeira Divisões.

“Quando aqui cheguei em 2002 de Dourados para assumir o lugar do técnico Roberto Fonseca, o time disputava a Segunda Divisão, cheguei desacreditado. O Lourival Furquin me deu apoio. Furquin pessoa que nunca influenciou no meu trabalho e meu deu moral. Agradeço também ao presidente Edson Salomão e o finado Chavita pelo apoio, fiz um bom trabalho e consegui o acesso à Primeira Divisão em jogo dramático realizado em Apucarana”.

Quando nunca imaginava que seria dispensado pelo trabalho que havia feito nos anos anteriores, fui demitido em 2013.

Disse Itamar

DECEPÇÃO – Empatamos dois jogos fora e perdemos em casa, quando íamos enfrentar equipes de nosso nível, veio a dispensa e a ducha de água fria. O ACP foi tudo para mim na carreira de técnico, agradeço a diretoria, os atletas, a torcida, a imprensa e amigos que aqui fiz pelos momentos de alegria vividos em Paranavaí, cidade que aprendi a amar” finalizou Itamar.

REBAIXAMENTO – Itamar falou com tristeza da queda do ACP para Terceira Divisão Paranaense. “Gente de fora sempre acaba prejudicando, conversei com a direção para fazer uma parceria, mas não mostrou interesse em fazer a parceria que propus, então é difícil ver o time na Terceira, vejo a situação atual como triste. Pessoas de bem da cidade tem que pegar novamente o time, o time foi vencedor com gente da cidade à frente”.

ESTÁDIO – Itamar elogiou o Estádio Dr. Waldemiro Wagner, como um dos mais bonitos do estado do Paraná. Achei um absurdo a ideia de transformá-lo em um Parque. “Local de glórias, o povo tem que abraçar e não permitir. Tem que reformar sim, e colocar pessoas certas a frente para que o time volte a ser como era antigamente, motivo de orgulho da cidade”.

Fotos – Arquivo Pessoal de Itamar e Renato Ferraz Ávila (Museu do ACP)

17/05/2020 – Paranavaí

Compartilhe: