Atlético, Juventus, Milan e Inter confirmam saída da Superliga, e vice-presidente admite fim do projeto

A lista de desistentes entre os fundadores da Superliga Europeia aumentou nas primeiras horas da quarta-feira, 21 de abril. Depois de uma terça intensa, na qual seis clubes ingleses anunciaram que não fariam mais parte do torneio, mais quatro gigantes desembarcaram da ideia.

Atlético de Madrid, Juventus, Inter de Milão e Milan informaram que também não farão mais parte do projeto. Barcelona e Real Madrid são os únicos clubes que ainda não anunciaram saída.

As desistências em sequência levaram um dos homens fortes da ideia a admitir que a Superliga não sairá mais do papel – ao menos em um primeiro momento.

Andrea Agnelli, vice-presidente da Liga e presidente da Juventus, disse em entrevista à Reuters que o projeto não poderá ser realizado “com seis equipes”, ao ser questionado se a competição ainda seria realizada. A declaração foi dada antes da oficialização de saída de Atlético, Juventus, Milan e Inter.

Sendo honesto e franco, não. É evidente que não é o caso. Estou convencido da beleza do projeto, a criação da melhor competição do mundo. Mas eu não acho que este projeto segue em andamento.”

Disse Andrea

Mais quatro fundadores desistem

O Atlético de Madrid foi o primeiro time espanhol a desistir da Superliga, comunicando a decisão oficialmente na manhã desta quarta-feira. 21/4.

Em nota, o clube indicou que havia decidido se juntar à competição na semana passada, “em circunstâncias que já não existem mais”, mas que pretende manter o clima bom internamente.

Para o clube, a harmonia entre todos os grupos que compõem a família rojiblanca é fundamental, principalmente os nossos torcedores. O time titular e o seu treinador mostraram-se satisfeitos com a decisão do clube, entendendo que o mérito esportivo deve prevalecer sobre qualquer outro critério”.

Afirma o Clube

Posicionamento dos fundadores da Superliga até agora:

Mantidos:

  • Barcelona
  • Real Madrid

Desistentes:

  • Arsenal
  • Atlético de Madrid
  • Chelsea
  • Inter de Milão
  • Juventus
  • Liverpool
  • Manchester City
  • Manchester United
  • Milan
  • Tottenham
Na Inglaterra

Anunciada oficialmente no último domingo, 18/04, a Superliga Europeia gerou uma onda de críticas entre torcedores, jornalistas e atletas na segunda-feira, 19/04, e se viu como alvo de ameaças duras por parte da Uefa das ligas nacionais no continente. Diante da pressão da opinião pública e da chance de punição aos clubes participantes e até mesmo aos jogadores, a semana começou com diversas reuniões e muita indefinição.

Na terça-feira, 20/04, a derrocada do projeto começou a se concretizar com a debandada dos seis clubes ingleses que estavam no grupo de 12 fundadores do torneio. O chamado “Big Six” da Inglaterra foi anunciando ao longo do dia a desistência de participar da competição – o que levou a Superliga a anunciar uma suspensão do projeto.

Apesar da anunciada saída dos clubes ingleses, forçados a tomar tais decisões devido à pressão sobre eles, estamos convencidos de que nossa proposta está totalmente alinhada com as leis e regulamentos europeus, como foi demonstrado por uma decisão judicial para proteger a Superliga de ações de terceiros”

Disse a Liga em comunicado

A semana também vem sendo marcada por manifestações de torcedores nas ruas contra a criação da competição, que teria vaga garantida a um grupo de 15 fundadores – outros cinco postos seriam ocupados por times diferentes a cada temporada. Muitos fãs indicaram que a criação do torneio era elitista e mataria a tradição do futebol.

Na Espanha

Nesta quarta, pichações em muros chamaram a atenção nas imediações do Camp Nou, em Barcelona. O clube está entre os fundadores da Superliga e ainda não anunciou sua desistência – embora tenha indicado que fará uma votação entre os sócios para decidir seu futuro na competição. Entre as pichações de protesto estava a frase “Barcelona não é um negócio”.

Fonte – ge (Madri)

Fotos – Reuter´s

Paranavaí 21/04/2021

Compartilhe: